A arma de fogo é a civilização

23/07/2015 by

Por 

Os seres humanos têm apenas duas maneiras de lidar uns com os outros: por meio da razão e por meio da força.

Se você quer que eu faça algo por você, há duas opções: ou você me convence por meio de um argumento racional ou você recorre à ameaça de violência.

Toda e qualquer interação humana necessariamente recai em uma dessas duas categorias.  Sem exceção.  Razão ou força.  E só.

Em uma sociedade genuinamente moral e civilizada, as pessoas interagem exclusivamente por meio da persuasão.  A força não é um método válido de interação social.

Sendo assim, e por mais paradoxal que isso possa parecer para alguns, a única ferramenta que pode remover a força dessa lista de opções é uma arma de fogo pessoal.

E o motivo é simples: quando estou portando uma arma de fogo, você não pode lidar comigo por meio da força.  Você terá de utilizar apenas a sua razão e a sua inteligência para tentar me persuadir.  Portando uma arma de fogo, eu tenho uma maneira de neutralizar a sua ameaça ou o seu uso da força.

A arma de fogo é o único objeto de uso pessoal capaz de fazer com que uma mulher de 50 kg esteja em pé de igualdade com um agressor de 100 kg; com que um aposentado de 75 anos esteja em pé de igualdade com um marginal de 19 anos; e com que um cidadão sozinho esteja em pé de igualdade com 5 homens carregando porretes.

A arma de fogo é o único objeto físico que pode anular a disparidade de força, de tamanho e de quantidade entre um potencial agressor e sua potencial vítima.

Há muitas pessoas que consideram a arma de fogo como sendo o lado ruim da equação, a fonte de todas as coisas repreensíveis que acontecem em uma sociedade.  Tais pessoas acreditam que seríamos mais civilizados caso todas as armas fossem proibidas: segundo elas, uma arma de fogo facilita o “trabalho” de um agressor.

Mas esse raciocínio só é válido, obviamente, se as potenciais vítimas desse agressor estiverem desarmadas, seja por opção ou por decreto estatal.  Tal raciocínio, porém, perde sua validade quando as potenciais vítimas também estão armadas.

Essas pessoas que defendem a proibição das armas estão, na prática, clamando para que os mais fortes, os mais agressivos e os mais fisicamente capacitados se tornem os seres dominantes em uma sociedade — e isso é exatamente o oposto de como funciona uma sociedade civilizada.  Um bandido, mesmo um bandido armado, só terá uma vida bem-sucedida caso viva em uma sociedade na qual o estado, ao desarmar os cidadãos pacíficos, concedeu a ele o monopólio da força.

E há também o argumento de que uma arma faz com que aquelas brigas mais corriqueiras, as quais em outras circunstâncias resultariam apenas em pessoas superficialmente machucadas, se tornem letais.  Mas esse argumento é multiplamente falacioso.

Em primeiro lugar, se não houver armas envolvidas, todos os confrontos serão sempre vencidos pelo lado fisicamente superior, o qual irá infligir lesões e ferimentos avassaladores ao mais fraco.  Sempre.

No que mais, pessoas que acreditam que punhos cerrados, porretes, pedras, garrafas e cacos de vidro não constituem força letal provavelmente são do tipo que acreditam naquelas cenas fantasiosas que vêem nos filmes, em que pessoas tomam variados socos, pauladas e garrafadas na cabeça e ainda continuam brigando impavidamente, no máximo com um pouco de sangue nos lábios.

O fato de que uma arma de fogo facilita o uso de força letal é algo que funciona unicamente em prol da vítima mais fraca, e não em prol do agressor mais forte.  O agressor mais forte não precisa de uma arma de fogo para aniquilar sua vítima mais fraca.  Já a vítima mais fraca precisa de uma arma de fogo para sobrepujar seu agressor mais forte.  Se ambos estiverem armados, então estão em pé de igualdade.

A arma de fogo é o único objeto que é tão letal nas mãos de um octogenário em uma cadeira de rodas quanto nas mãos de um halterofilista.  Se ela não fosse nem letal e nem de fácil manipulação, então ela simplesmente não funcionaria como instrumento equalizador de forças, que é a sua principal função.

Quando estou portando uma arma, eu não o faço porque estou procurando confusão, mas sim porque quero ser deixado em paz.  A arma em minha cintura significa que não posso ser coagido e nem violentado; posso apenas ser persuadido por meio de argumentos racionais.  Eu não porto uma arma porque tenho medo, mas sim porque ela me permite não ter medo.  A arma não limita em nada as ações daqueles que querem interagir comigo por meio de argumentos; ela limita apenas as ações daqueles que querem interagir comigo por meio da força.

A arma remove a força da equação.  E é por isso que portar uma arma é um ato civilizado.

Uma grande civilização é aquela em que todos os cidadãos estão igualmente armados e só podem ser persuadidos, jamais coagidos.

Fonte http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=2146

Livro “Mentiram Para Mim Sobre o Desarmamento”

19/05/2015 by

Excelente leitura, para ter embasamento nos argumentos contra os desarmamentistas.

Somente R$ 22,80 e o frete aqui para Brusque – SC custa somente R$ 4,90.

http://www.saraiva.com.br/mentiram-para-mim-sobre-o-desarmamento-8770914.html

Sexo Frágil?? Conta outra…

15/05/2015 by

Porquê Tiro Também é Diversão

05/04/2015 by

Não só de treino sério vive um atirador, diversão faz parte.

Super Humanos – O Arqueiro

01/04/2015 by

Tiro ao prato? Muito fácil. Que tal acertar uma aspirina no ar com uma flecha? Impossível??? Não para Byron Ferguson.

Curso Básico de Armas Curtas Abril/2015

30/03/2015 by

Aberto inscrições para mais um Curso Básico de Armas Curtas, como são poucas vagas, façam logo suas inscrições.

Veja como foi o curso anterior neste link https://araujobrusque.com.br/2015/03/17/video-do-curso-de-armas-curtas-do-dia-15032015/

curso abril de 2015

Video do Curso de Armas Curtas do dia 15/03/2015

17/03/2015 by

Só uma palhinha de como foi o curso. Em abril terá outro, então fique de olho no blog.

Clique no botão “+ Seguir” na parte inferior direita do blog, adicione seu e-mail e fique por dentro do que acontece no clube, torneios, cursos e muito mais.

Torneio IPSC C.C.T. Araújo Brusque 21/03/2015

16/03/2015 by

Agradecemos quem puder confirmar a participação até dia 20, para agilizar a confecção das etiquetas. Confirmem no e-mail emerson@soldourado.com.br

Este torneio interno atende as exigências do Exercito referente ao primeiro trimestre 2015 .

Torneio registrado na Nroi e protocolado no Exercito.

Cliquem na imagem para ampliar.
Torneio março 2015

Curso Básico de Tiro com Armas Curtas

13/03/2015 by

Curso de tiro

Obra de Arte

06/03/2015 by

Segue um vídeo de uma arma que é uma obra de arte, ou, uma obra de arte que é uma arma? Difícil definir.

A Holland & Holland fabrica roupas e armas. Segundo meu amigo André Petterman, as armas mais simples custam a partir de 18 mil Dólares (algo em torno de 54 mil reais na cotação de hoje). As mais caras, que já foram de algum famoso ou de membros da realeza, podem chegar a 900 mil libras (mais de R$ 4.000.000,00), é isso mesmo, mais de 4 milhões de reais.

E nós aqui no Brasil já ficamos contentes quando conseguimos comprar uma Boito…

Para quem quiser comprar uma, segue o link com valores http://hollandandholland.com/guns/

Vejam como são fabricadas estas obras de arte.


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 852 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: