Archive for abril \24\UTC 2012

Resultados 4º Etapa do CCCA

24/04/2012

Olá caríssimos atiradores mais uma vez tivemos uma etapa neste final de semana, onde a equipe do CCTAB consegui conquistar o 3º Lugar. A disputa pelo 2º Lugar no campeonato está acirrada, uma vez que o 1º de maio está disparando na frente. Vejam abaixo os resultados:

N EQUIPE Pomerode 2012
P EQUIPE Pomerode 2012
PREMIO Pomerode 2012
MEDALHA Pomerode 2012
TROFEU Pomerode 2012

Campeonato Catarinense de Tiro com Arco

23/04/2012

Para os que apreciam o Tiro com Arco, está aberto a participação de Arqueiros não federados nas etapas do Campeonato Catarinense de Tiro com Arco, então é uma boa oportunidade para iniciar nas competições, e aprender mais um pouco com os arqueiros mais experientes.

Por enquanto todas as etapas serão em Florianópolis, mas havendo o aumento do número de arqueiros de outras cidades, há possibilidade de etapas acontecerem em outras cidades.

O valor para participar “avulso” é de R$ 40,00, e deve ser pago antecipadamente em uma conta no Banco do Brasil, para que o Presidente da Federação Catarinense, Sr. Fernando Wolff, possa preparar as linhas de tiro, as quais tem que ser montadas antecipadamente. Quem tiver interesse, pode usar o contato do blog para entrar em contato comigo, que eu passo o e-mail do Sr. Fernando para vocês entrarem em contato.

Para os que nunca participaram de uma competição, como eu por exemplo, acho interessante iniciar no Indoor, que são apenas 18 metros.

A próxima etapa será neste sábado dia 28/04/2012, então para mim, ficou um pouco em cima da hora, mas no dia 12/05/2012, estarei participando na modalidade de arco composto, então se quiserem participar, ou somente ver, podemos combinar para sairmos juntos de Brusque, podem entrar em contato comigo pelo link https://araujobrusque.com.br/contato/

Para quem tiver interesse em treinar, pode imprimir o alvo de 18m acessando este link https://campeonatodetiro.files.wordpress.com/2012/04/18ma4.pdf

Segue abaixo divulgação da próxima etapa e logo abaixo o calendário de etapas deste ano.

Etapa Tiro com Arco

Calendário 2012 Tiro com Arco

Snipers – Um Tiro, Uma Morte

13/04/2012

A figura do atirador de elite não é uma criação moderna. Na verdade desde os tempos mais remotos, da época das primeiras lanças, fundas e do uso primitivo da camuflagem o homem tentava explorar a sua capacidade de furtivamente superar os seus oponentes fosse na caça ou na guerra.

Eles receberam as mais variadas denominações durante a sua história entre elas franco-atirador (Traduzido do francês “franco-tireur” como literalmente “atirador livre” e originário da Guerra Franco-Prussiana de 1870-71, “franco-atirador” era o termo que descrevia os civis lutaram com suas armas de fogo contra o inimigo e não estavam sujeitos as regras da guerra), atirador de escol, atirador de elite e hoje são comumente chamados de snipers.

Alguns dizem que o termo “snipers” surgiu no século XIX com o Exército britânico na Índia. Lá existia um pequeno e ágil pássaro chamado snipe, que se alimentava de insetos no solo, e se constituía um alvo difícil para qualquer caçador. O atirador para acertá-lo tinha que ser realmente muito bom e aqueles que conseguiam eram chamados de snipers (de snipe, e killer, na forma contraída).

A ação de soldados que operam isolados ou em pequenos grupos bem fundo no território inimigo para colher informações e fustigar o inimigo não é novidade. Os gregos, romanos e assírios entre outros povos antigos empregavam arqueiros para aumentar a extensão do alcance de suas tropas e para explorar o efeito surpresa dos tiros de precisão.

Os exércitos europeus repartiam entre suas tropas arqueiros e balestreiros, para fornecer uma combinar mortal de tiros de precisão durante as batalhas. A partir do surgimento da pólvora, seguido das armas de menor porte permitiu que atiradores acurados (muitos originalmente caçadores) encontrassem naturalmente o seu lugar no campo de batalha. Conta-se que Leonardo da Vinci, usando uma arma projetada por ele próprio, foi franco-atirador ao lado dos florentinos que resistiam à investida do Sacro Império Romano.

Muitos acreditam que a figura do atirador de elite usando armas de fogo surgiu mesmo com caçadores americanos no período colonial. Ele usava o rifle de antecarga tipo ” kentucky ” de cano raiado que lhe dava precisão considerável. O problema da pólvora negra, comum na época, era minimizado pois esses caçadores inventaram algo chamado “calepino” que não é nada mais do que um pedaço de pano muitas vezes absorvido em saliva que embrulhava a bala esférica de chumbo. Este “calepino” permitia se colocar uma bala de tamanho bastante menor que o cano e em troca, cada tiro, quando disparado, limpava o cano. Esses homens se vestiam com roupas de couros e com sapatos mocassins. Tal vestimenta copiada dos nativos americanos dava ao caçador maior agilidade em seus momentos. Esse caçadores tinham larga experiência de combate usando pesados fuzis de caça contra os índios.

Sniper

Quando estourou a guerra de independência os caçadores americanos foram bem usados contra os “casacos vermelhos”. Na verdade o soldado inglês estava em desvantagem contra os atiradores americanos. Os ingleses usavam mosquetes de cano liso que as vezes nem chegavam a distância de tiro útil contra os americanos, que usavam armas com alcance e precisão superiores. é importante saber a precisão a longa distância sempre foi de fundamental importância para a sobrevivência desses caçadores em um terra selvagem e repleta de índios.

A questão do alcance dos mosquetes ingleses se deve mais a questões táticas do que técnicas. Nas colônias americanas os ingleses lutaram usando as táticas de combate européias em que batalhões inimigos avançavam um contra o outro como uma massa compacta, ombro com ombro. Se colocar diante dessa massa e fazer pontaria contra ela era quase suicídio, pois só se mataria alguns soldados e a qualquer momento a massa compacta que não parava se avançar dispararia contra você uma barragem mortal de chumbo. A lógica ditou então que a coisa mais satisfatória era criar uma outra cortina de chumbo a mais densa possível no menor tempo. O avanço assim era esmagador para o inimigo. É bem conhecido que a pólvora negra deixa resíduos no cano, maior quando é raiado e menor quando é plano, razão por que os rifles ingleses eram planos e permitiam realizar quatro tiros em 15 segundos, nas mãos de um soldado treinado, algo realmente surpreendente. O rifle inglês era por excelência o denominado “Brown Bess” de calibre .75.

Porém na guerra de independência os caçadores americanos não iam para campo aberto, onde estavam em desvantagem e sim preferiam lutar nas florestas. Dotados de rifles que lhe permitiram atirar à distância com precisão e com mesma efetividade, eles podiam proteger suas vidas. A vestimenta permitiu-lhe se mover com agilidade e ir até as árvores ou rochas, atirar, correr, esconder-se e atirar novamente. Para isto os caçadores tinham aprendido a ocultar-se na natureza, o que inclui o fator surpresa graças à camuflagem natural.

Em 7 de outubro de 1777, Timothy Murphy, um atirador de elite do Morgan’s Kentucky Riflemen matou com umtiro o General Simon Fraser exército inglês. Acredita-se que Murphy acertou o tiro de cerca de 500 jardas. Ele estava usando um rifle tipo ” kentucky “. O General Fraser estava comandando uma missão de reconhecimento contra os rebeldes em Bemis Heights, New York. Com a morte de Fraser o reconhecimento não teve êxito e isto influenciou diretamente na batalha de Saratoga e no rumo da guerra que levou a derrota dos ingleses.

Porém existe um fato muito interessante registrado na história da guerra de independência dos EUA relacionado a um homem chamado Patrick Ferguson, coronel do exército britânico. Ele era um dos principais desenvolvedores de armas de fogo dos ingleses. Na época o rifle Ferguson era considerado um dos melhores em uso pelo ingleses. quando era major o próprio Ferguson teve sob sua mira em Germantown, Pennsylvania, um oficial não identificado do Exército Continental, durante a guerra de independência americana. Porém por uma questão de honra Ferguson não efetuou o disparo que certamente mataria o oficial rebelde, que estava a 125 jardas, porque este estava de costas. Soube-se depois que o oficial americano era ninguém menos do que o General George Washington. A sua morte certamente afetaria todo o rumo da história dos EUA. Ironicamente em 7 de outubro de 1780 Patrick Ferguson foi morto por um membro do Morgan’s Kentucky Riflemen distante cerca de 450 jardas. Como resultado a unidade de Ferguson se rendeu quando o General lorde Charles Cornwallis foi forçado a abandonar a invasão da Carolina do Norte. Com a morte de Ferguson, os ingleses perderam um de seus primeiros desenhistas de armas. Em 19 de outubro de 1781, o exército britânico, sob o comando de Lord Cornwallis, rendeu-se em Yorktown. Pelo tratado assinado em Paris em 1783, e em que os Estados Unidos foram representados por Benjamin Franklin, John Adams e John Jay, a Grã-Bretanha reconheceu a autonomia das colônias.

Mais tarde, já nos idos da guerra da Secessão, nos EUA o Coronel do Exército da União Hiram Berdam, criou e comandou o 1° e 2° batalhões de atiradores de fuzil (neste caso, fuzis Sharps de calibre .52, dotados de primárias lunetas de corpo de bronze) especialmente para infringir baixas a oficiais inimigos e assim desmoralizar suas tropas.

Os sharpshooters (como eram conhecidos) obtiveram excelentes resultados, onde registraram-se disparos certeiros a mais de 700 metros. A unidade de Berdam foi atribuído o crédito de ter matado mais inimigos do que qualquer outra unidade do Exército da União. O General Robert E. Lee ordenou que os confederados criassem unidades de atiradores de elite.

A tática de usar atiradores de elite não ficou restrita aos americanos e não demorou muitos anos para que outros exércitos, especialmente os europeus, criassem suas próprias unidades de atiradores de elite.

Atiradores de elite foram usados pelos franceses comandados por Napoleão e por forças da resistência contra as invasões francesas.

Perto do fim da batalha de Trafalgar, quando a esquadra inglesa já vencia a esquadra francesa e a espanhola juntas, em 1805, um atirador de elite francês, do alto do mastro do Redoutable, a menos de 20 metros, reconheceu a figura inconfundível de Nelson no convés do HMS Victory e fez fogo sobre ele: a pesada bala do mosquete francês atingiu-o no ombro esquerdo, atravessou completamente seu peito e prostrou-o agonizante no tombadilho. Era uma e meia da tarde; levado para o convés inferior, o herói inglês morreu três horas depois, cercado por seus oficiais, que vinham trazer notícias do sucesso da batalha.

O Brasil usou atiradores de elite alemães, que eram emigrantes ou contratados, na Guerra contra Rosas e Oribe (1851-52), especialmente contra Rosas em Monte Caseros em 2 de fevereiro de 1852. Existiam cerca de 100 atiradores que foram espalhados entre as unidades brasileiras de Infantaria e armados de moderníssimos fuzis Dreyse de agulha que soldados alemães haviam usado na reunificação da Alemanha. Ele foram comandados pelo Capitão Francisco José Wildt da Guarda Nacional de São Leopoldo .Com eles os artilheiros de Rosas foram caçados por terem se postado dentro do alcance útil dos fuzis Dreyse que conseguiram surpresa tática e assim o rompimento da posição de Artilharia por onde penetraram os cavaleiros brasileiros do 2o Regimento de Cavalaria ao comando do intrépido Tenente Coronel Manoel Luiz Osório ,o futuro Marques do Herval .Estes alemães passaram a história como os brummer (significando rezingões?)

Os próprios americanos comandados por Theodore Roosevelt em 1898, foram acossados por bravos atirados espanhóis que defendiam a colina de San Juan em Cuba e que resistiram bravamente a vários ataques americanos usando seus rifles Mauser 93 de repetição. Os espanhóis só foram vencidos depois de um ataque em massa dos americanos.

Primeira Guerra Mundial

Sniper Alemão

Mesmo sendo uma prática militar já usual no inicio do século XX, as nações européias só vieram a utilizar largamente atiradores de elite a partir da Primeira Guerra Mundial. Na verdade este foi o primeiro conflito em que esta modalidade de combatente foi grandemente utilizada.

Alemães, ingleses, franceses, australianos, americanos e turcos entre outros, usaram largamente suas novas unidades de atiradores de elite neste conflito, pois as características da “guerra das trincheiras” favoreciam os disparos de longo alcance e a imobilidade do atirador.

Foram os alemães que usaram os primeiros snipers especialmente treinados para a função.

O inglês Hisketh Pritchard criou a primeira escola aliada de atiradores de elite durante a Primeira Guerra, no Reino Unido, onde atiradores britânicos e americanos treinavam juntos. Muitos civis belgas usaram suas armas de fogo na função de “franco-atiradores” contras as forças invasoras alemãs em 1914. Atiradores turcos cobraram um alto tributo as tropas aliadas em Gallipoli.

Em uma quinzena da guerra de trincheira em dezembro de 1915, as tropas britânicas sofreram 3.285 baixas. Aproximadamente 23% destas baixas estavam relacionadas com ferimentos na cabeça, face e pescoço.

É uma suposição considerável que um grande número destas baixas foram causadas por um sniper. Isto certamente gerava nos soldados aliados um tremendo efeito psicológico relacionado com a insegurança e um desejo de ficar no fundo de sua trincheira em vez de estar participando de ataques de infantaria.

Sniper Alemão

Qualquer um que coloca-se a cabeça para fora era um alvo. Mas com o tempo os atiradores ficaram mais seletivos (oficiais principalmente), pois se a sua posição fosse descoberta ela seria saturada com um impiedoso bombardeiro. Por isso os alvos deveriam valer a pena serem abatidos.

Quando os atiradores era feitos prisioneiros deviam esperar pouca misericórdia do inimigo, pois normalmente o atirador fazia vítimas também entre os soldados que não estavam diretamente envolvidos com ações de combate.

Muitos civis belgas funcionaram como franco-atiradores durante os primeiros meses de guerra. Já nesta época os atiradores operavam em pares. Os atiradores de elite serviam normalmente sob oi comando do QG de um batalhão.

Snipers Britânicos

Durante a Primeira Guerra Mundial, o Exército britânico encontrou atiradores alemães equipados com capas de camuflagem e rifles especiais com visões telescópicas. Os alemães colocaram telescópios em seus fuzis G98.

Os snipers alemães forçaram o Exército britânico a empregar as mesmas técnicas. Ao final da guerra, os britânicos puderam superar os alemães no seu próprio jogo.

Muitas das armas usadas pelos atiradores no inicio da guerra era rifles de caça para elefantes, que depois foram substituídos por rifles standard adaptados para a função. Também nesta guerra foram treinados atiradores para servirem em ações countersnipes.

Snipers Alemães com Mouser

Guerra da Finlândia

Em agosto de 1939, Hitler e Stalin fizeram um pacto de não-agressão, o qual, por sua parte favoreceu a erupção da Segunda Guerra Mundial. O acordo conteve um anexo secreto sobre a distribuição de esferas de influência, em que a Alemanha comprometeu-se a não interferir se a União Soviética resolvesse ocupar os países bálticos ou a Finlândia. A União Soviética apresentou à Finlândia importantes reivindicações territoriais para adiantar suas posições defensivas em expectativa de um ataque de Hitler. O resultado das negociações não satisfizeram a União Soviética que renunciou o pacto de não-agressão assinado em 1932 e invadiu a Finlândia em 30 de novembro de 1939. O objetivo de Stalin era de ocupar todo o país em duas semanas e instalar um governo controlado pela União Soviética.

O exército finlandês, inferior ao exército vermelho tanto em número como em armamento, lutou cerca de cem dias sem praticamente nenhuma ajuda externa em condições extremamente difíceis. Stalin, que ainda não tinha outra guerra pela qual preocupar-se, transportou uma parte significativa do seu exército para a frente finlandesa, onde foi desmoralizado em combates que ocorriam debaixo de temperaturas baixíssimas (até -40’C), que na época eram desconhecidas dos soldados soviéticos, e pela alta motivação finlandeses, que lutavam em defesa da sua terra.

Os defensores finlandeses, conduzidos pelo marechal Mannerheim, ficaram famosos pelo mundo, destruindo tanques soviéticos com coquetéis de “Molotov” (nome do ministro soviético de relações exteriores daquela época). O exército vermelho, que tinha perdido muito de seus principais oficiais durante os expurgos políticas feitos por Stalin nos anos 30, sofreu grandes baixas e perdas nas manobras de enceramento chamadas “motti”, que foram feitas por finlandeses usando esquis. A força aérea soviética também sofreu humilhações dos pilotos finlandeses.

Graças ao desempenho do exército, em março de 1940 a Finlândia praticamente tinha detido, mesmo com muita dificuldade, a invasão soviética, mas sentindo o risco de uma derrota iminente à vista da superioridade das recursos bélicos da União Soviética, optou por um acordo de paz duro, segundo o qual cedeu entre outros boa parte da província do sudeste chamada Carélia e a península de Hangö, para ser utilizada como base naval.

Este conflito é importante para a história dos atiradores de elite pois foi dele que saiu o campeão da lista de atiradores Simo Häyhä.

Simo Hayha

Ele nasceu em 17 de dezembro de 1906 na pequena cidade finlandesa de Rautajarvi, como a maioria da população ele era um simples fazendeiro de vida tranqüila e pacata, acostumado com a vida nas florestas geladas era ele um homem do campo por paixão, caçador desde a infância aos 17 anos alistou-se no exercito finlandês para cumprir serviço militar obrigatório, cumpriu o seu tempo de serviço de forma tranqüila em um batalhão de bicicletas, em novembro de 1939 a Rússia invadiu a Finlândia dando inicio a uma guerra que iria durar 105 dias e ficaria conhecida como a guerra de inverno, Simo Hayha foi convocado as pressas juntamente com centenas de outros reservistas,…integrou a principio a companhia JR 34 encarregada de proteger e retardar o avanço da frente russa na região do rio Kollaa.

As forças finlandesas na região do rio kollaa estavam sob o comando do general Uiluo Tuompo e já enfrentavam as primeiras investidas do 9º e 1º exércitos, soviéticos,…A superioridade numérica dos russos era esmagadora, e como o vale do Kollaa era ponto estratégico importantíssimo para o avanço russo, para lá foram enviadas 12 divisões, com um total de 160.000 homens,…ignorando a superioridade numérica a resistência finlandesa lutou ferozmente, e foi durante essa luta desigual que se destacou Simo Hayha,… Aqueles eram os seus campos de caça e conhecia a região como ninguém, era a sua casa, nenhum inimigo estaria seguro,…”caçando” sozinho a “morte branca” (apelidado por causa da camuflagem branca que usava na neve) levou o terror às linhas inimigas, agia no sul e no norte, nunca fazia mais que um disparo por posição, quando agia levava o pânico e abalava o moral das tropas inimigas.

Assim a bravura e a audácia de um único atirador, atrasou em meses o domínio daquela região,..e em apenas um mês as perdas vermelhas no vale do Kollaa triplicaram.

Usava um rifle Mosin Nagant M28 em calibre 7.64X54 R (mesmo calibre do atual SDV Dragonov) regulamentar das tropas finlandesas naquela época, as miras eram abertas e sem qualquer tipo de aparato de precisão, com esse rifle por mais de uma vez eliminou oficias russo com tiros precisos de mais de 400 metros.

Em fevereiro de 1940 a ele foi entregue um rifle Mauser equipado com um uma luneta de precisão e coronha custon, mas para a surpresa de todos Hayha recusou a oferta do rifle e preferiu continuar com o seu velho Nagant de miras abertas, segundo palavras do próprio Hayha; o rifle Mauser era muito bom, mas o forçava a levantar demais a cabeça para visualizar a luneta, e isso pra ele poderia significar a diferença entre matar ou morrer já que era diariamente caçado por vários snipers russos, o fato de não gostar de lunetas era devido a necessidade de cuidados especiais que precisava se ter com esses delicados aparelhos por causa do gelo e da neve que constituíam o ambiente dos combates.

Outro coisa que diferencia o grande Simo Hayha de outros atiradores era o fato de conseguir acertar melhores tiros sentados do que deitados, por ser muito pequeno (1.60) desenvolveu uma posição de tiro sentado que funcionava como uma plataforma, dando total estabilidade aos seus tiros longos de 400, e 500 metros.

Quando perguntado qual era a chave do seu sucesso, disse não haver nenhuma, apenas o amor pela pátria o conhecimento intimo da sua arma e terreno, e a paciências para permanecer dias inteiros em uma posição esperando uma oportunidade,…”cumpri da melhor forma possível as missões que me confiavam” dizia ele com toda a sua modéstia.

Dessa forma mesmo após o fim da guerra de inverno com a inevitável derrota finlandesa em março de 1940 as posições do rio Kollaa ainda estavam sobre a “proteção” da morte branca e de uma pequena facção do exercito finlandês.

Nos 100 dias que lutou na guerra de inverno Simo Hayha teve creditadas e confirmadas oficialmente 542 baixas inimigas, seus números são verdadeiramente notáveis, e acredito que dificilmente serão superados por qualquer outro sniper de guerras modernas.

No dia 03 de junho de 1940 Simo Hayha foi ferido gravemente no rosto por um sniper russo, mesmo assim ainda encontrou o seu fuzil e caçou e matou o homem que o feriu, aquela foi a ultima ação de Simo Hayha no exercito finlandês, morreu de causas naturais no dia 1º de abril e 2002 em Hamina Finlândia aos 96 anos.

Simo Hayha Idoso

Outro atirador de elite finlandês da época da Guerra de Inverno na Finlândia é Suko Kolkka. Segundo informações ele matou aproximadamente 400 russos com seu rifle e cerca de outros 200 usando submetralhadoras em combates de infantaria.

Devido a combatividade e qualidade excepcional dos finlandeses, e entre eles de seus atiradores de elite, as perdas soviéticas foram de 40:1. No fim da Guerra de Inverno um general soviético disse: “Conquistamos 22.000 milhas de território finlandês. E isto é suficiente para enterrar os nossos mortos”.

EUA – entre as guerras:

Devido as traumáticas experiências nos campos de batalha da França os americanos buscaram o aperfeiçoamento em seus campos de treinamento específicos para atiradores de fuzil, mais notadamente em Fort Benning, Georgia. Lá foi criada a The United States Army Marksmanship Training Unit” ou Unidade de Treinamento de Atiradores de Precisão do Exército dos EUA.

Segunda Guerra

Nesta época um salto de qualidade foi dado por japoneses, britânicos, russos, americanos e alemães. Mais uma vez foram criadas unidades especificas de treinamento e emprego deste tipo de atirador. Nestas unidades de treinamento a preparação e doutrina dos combatentes era diferente dos soldados comuns, pois as condições de qualificação exigidas eram extremas, dando-se especial ênfase à parte psicológica. Durante a Segunda Guerra Mundial, a sofisticação de equipamentos estava apenas iniciando e o alcance médio dos fuzis era de 400 metros.

O Exército inglês tinha várias exigências para escolher um atirador de elite: inteligência acima da média, forte e incansável, ótima pontaria, prazer pela solidão e, de preferência, um homem do campo. Os alemães incentivavam muitas vezes seus oficiais à serem atiradores de elite, inclusive condecorando-os com medalhas específicas para 20, 40, e 60 inimigos confirmadamente abatidos.

Sniper Alemão

Táticas alemãs
Os snipers alemães que atuaram na frente russa tinham como alvos principais os operadores de armas pesadas, observadores, oficiais, ou tudo que ameaça o avanço das tropas. Sem liderança as tropas russas não avançavam e ficavam paralisadas ou fugiam. Os sniper alemães avançavam com as tropas, cobriam flancos e pegavam observadores e ninhos de metralha inimigo. No fim da guerra cada pelotão alemão tinha pelo menos dois homens treinados como scout e sniper.

Na tundra russa, os sniper ficavam na frente das tropas. Penetravam a noite nas linhas e durante o ataque ou barragem pré-ataque tinham a missão de abater os comandantes e artilheiros. As vezes acompanhavam o avanço para atingir operadores de metralhadoras e armas anti-carro.

Uma tática de um sniper alemão durante um avanço inimigo era deixar varias ondas atacar e atingir as ultimas no estomago. Os gritos dos feridos enervavam os da frente. Depois passava a atingir os mais próximos a 50m na cabeça. É possível conseguir cerca de 20 kills em poucos minutos.

A tática de apoio de retirada iniciou com os alemães na Segunda Guerra Mundial, em 1944, quando um batalhão usava 4-6 snipers para cobrir a retirada de uma companhia ou batalhão. Uma metralhadora seria detectada imediatamente enquanto os tiros a longa distância dos snipers não e o inimigo passaria a atuar com cautela para caçar os snipers.

Os alemães tem nos registros oficiais um dos maiores atiradores de elite da história Mathias Heutzenaner, que durante o ano de 1944 na frente russa, abateu 345soldados e oficiais soviéticos! (Nota: na maioria dos casos, utilizou um fuzil alemão projetado para ser uma arma anti-tanque, calibre especial de 13mm, alcance de utilização ao redor de 500m, tiro único). Um dado interessante é que os soviéticos usaram com bons resultados mulheres como atiradoras de elite, devido a sua paciência e determinação.

Nas operações na Normandia os alemães infestaram a região, propicia para a defesa, com centenas de atiradores de elite, que foram deixados para trás para retardar o avanço aliado. Eles só cessavam de operar quando eram mortos ou quando a sua munição acabava, momento em que se entregavam.

Os atiradores de elite, especialmente alemães e russos, conseguiam atingir uma cabeça a 400m, um dorso a 600m e um corpo inteiro a 800, necessitando repetir os disparos em apenas 20% a 40% dos casos segundo a distância.

Táticas russas
A infantaria passou a usar muita submetralhadoras para supressão e era uma arma ruim contra alvos em profundidade. Doutrinariamente os snipers cobriam estes alvos mais distantes. Os snipers russos atuavam bem em ambientes urbanos. Em um cenário urbano onde cada janela ou buraco podia ser fonte de sniper. Para os snipers os alvos eram fugazes, e a posição ficava comprometida rapidamente com movimentação. Um ataque frontal era suicídio, as incursões esporádicas e brutais virou norma com uso de sniper. Em Stalingrado os snipers dominaram o local e a morte rondava todos os lugares. As distancia na cidade eram de curto alcance e a maioria menos de 300m. Na cidade é muito difícil saber de onde vem o tiro devido ao eco.

Os snipers russos atuavam em duplas, com fuzil Mosin-Nagant com luneta zoom de 4x. Era preciso até 800m. Os snipers russos também levavam submetralhadoras. Observador também fazia pontaria para observar o tiro e atirar se o sniper errar. Durante um avanço alemão a missão dos snipers russos era segurar o avanço e procurar outra posição depois. O custo em vida foi alto.

Exemplo de operações na retaguarda seria uma operação onde seis equipes de snipers russos foram ordenados parar uma coluna de reforço alemã. Foram de esqui até a posição. Duas duplas cobriam o inicio do comboio, duas o meio e as outras o fim. A primeira dupla abriu fogo e parou o comboio. Os outros foram batendo alvos. Quando começavam a tentar fazer o comboio se mover, os snipers reiniciavam os tiros e os alemães paravam. Foi se repetindo até uma posição ser localizada. Os snipers mudavam de posição para contra-atacar. Conseguiram parar a coluna que só andou 3-5km em várias horas.

Os oficiais é que ensinavam as tropas a atuar como snipers. Os snipers russos recebiam treino de infantaria comum para operações ofensivas e defensivas. Como levavam submetralhadora, granadas e capacete, ajudava a esconder função se capturado. No fim da Segunda Guerra Mundial havia 18 sniper por batalhão ou dois por pelotão. Os snipers russos foram escolhidos como fontes de heróis e o número de kills pode ser exagerado por isso. Podia ser uma tática de propaganda.

Os marines

Ainda na Segunda Guerra Mundial, o USMC treinava seus snipers para tiro e reconhecimento e por isso são chamados de “scout-sniper”. Cada Companhia tinha três snipers sendo um de reserva. O USMC treinava reconhecimento e táticas de sniper agressivo, mas era difícil de empregar nas selvas do Pacífico. A velocidade de retorno de tiro faz diferença entre vida e morte. Por isso tinha que atuar em equipe de três com sniper, observador e apoio que cobria com metralha BAR ou submetralhadora. Cada companhia tinha uma equipe. Alguns snipers eram improvisados, como um oficial que treinava por conta própria e aproveitava para atuar na função. O uso de luneta mostrou ser uma desvantagem na selva densa o que se repetiu no Vietnã.

O USMC era a única unidade que treinava seus snipers para tiro a até 900 metros. Este treinamento foi importante com sniper conseguindo abater tropas em ninhos de metralhadora em Okinawa a 1.100m. As vezes tinham que usar traçante com o observador indicando onde atingiu um alvo grande para determinar a distância.

A ameaça dos snipers japonesas acabava com a força e moral dos soldados americanos. O USMC logo iniciou o uso de snipers como contra-sniper logo no começo da formação do perímetro da cabeça de ponte durante os desembarques.

Contra bunkers atiravam nas janelas de metralhadoras. Outros japoneses tomavam o lugar, mas logo percebiam o que estava acontecendo e paravam. Depois os Marines conseguiam avançar com apoio dos sniper e atacar com lança-chamas e cargas explosivas.

Os japoneses

Os Japoneses na Segunda Guerra Mundial, na campanha do Pacífico, usavam seus snipers mais para defesa e por isso eram considerados menos em ações ofensivas. Funcionava bem no terreno cheio de árvores e areias do Pacifico para controla movimentos de tropas inimigas. O critério de escolha dos snipers japoneses era diferente do ocidental. Eram escolhidos mais pela boa pontaria e era considerada uma honra. O medo de fracasso os tornava bons. O treino era bem pratico e sobrevivia muito tempo com poucos recursos para o padrão ocidental. Os snipers japoneses não faziam ações de coleta de informações, pois atuavam até a morte na posição, matando o máximo até serem mortos, e não voltavam. Na selva das ilhas do Pacífico usavam mira simples para curto alcance.

Os japoneses geralmente deixavam os americanos passar e disparavam por trás de buraco ou do topo de arvores. Com pouca distância até uma submetralhadora Nambu servia como arma de sniper. Os snipers ficavam amarrados em arvores para não dar dica para as equipes contra-sniper que conseguiu atingir, pois não via nada cair. Os ocidentais não usam arvores como posição, a não ser observadores, pois vira uma armadilha mortal se descoberto. Os japoneses usam sapatos e garras especiais para subir em arvores. Conseguiam atrasavam os avanços por horas. Os japoneses também usavam “buraco de aranha”, bem profundo, mas ainda com bom campo de tiro.

A contramedida americana foi atirar indiscriminadamente no topo das arvores com as metralhadoras BAR ou disparar um canhão de 37mm com munição flechete. Era uma tarefa lenta. Logo que tomavam uma cabeça de praia os Marines tinham que enviar equipes anti-snipers.

Durante um assalto no Atol de Kwajalein em Jan – Fev 44 pela 7ª Divisão de Infantaria, um sniper japonês inimigo provou ser extremamente mortal. No último dos 5 dias de batalha pelo atol, a Companhia F do 32º RI, encontrava – se sob o fogo do Sniper. Os homens não podiam identificar de onde vinham os fogos. Os disparos paralisaram os homens que tentavam escavar abrigos na areia ou cobrir – se com palmas para camuflagem. Por uma hora a Companhia aferrou – se ao terreno, faltando 150 jardas para o fim do atol. Um a um , dez soldados foram atingidos pelos disparos e todo o tempo os médicos arriscavam a vida rastejando até os feridos arrastando – os para trás.O ímpeto do ataque tinha sumido. Somente a chegada de um tanque servindo como escudo para proteção do fogo do Sniper motivou os homens da Cia F a se levantarem e se deslocar para o objetivo. Só após desalojar o Sniper o objetivo foi conquistado.

Fonte: http://tropaselite.t35.com/atirador_de_elite_parte_1.htm

2º Campeonato Aberto Carabina Ar Mira Aberta do Araújo Brusque

08/04/2012

Demorou mas conseguimos agendar as datas para o início do 2º Campeonato Aberto de Carabina Ar Mira Aberta do Araújo Brusque.

Alteramos a forma de inscrição das provas, sendo agora possível no máximo 4 inscrições por etapa, e valerá o melhor resultado, independente de ser a última inscrição ou não.

Datas para as Etapas:

22 de Abril de 2012

06 de maio de 2012

15 de julho de 2012

12 de agosto de 2012

23 de setembro de 2012

14 de outubro de 2012

As datas acima podem ser alteradas por motivo de força maior. Neste caso será avisado com uma semana de antecedência aqui no blog.

O regulamento completo pode ser acessado neste link https://campeonatodetiro.files.wordpress.com/2012/04/regulamento-campeonato-clube-de-cac3a7a-e-tiro-arac3bajo-brusque-20121.pdf

Programação Festa de Pascoa 2012

04/04/2012

Olá pessoal, segue abaixo a programação da nossa tradicional Festa de Páscoa, na sua 146º edição. Participem!!!!!!

SÁBADO (14/04/2012):
14:00 HRS – DISPUTA DO REI DO CLUBE – ABERTO A TODOS OS SÓCIOS E DEPENDENTES.
– DISPUTA DO TORNEIO INTERNO VALENDO MEDALHAS E TAMBEM CONTANDO PARA O TIRO MENSAL.
18:00 HRS – ENCERRAMENTO DAS ATIVIDADES DO DIA.

DOMINGO (15/04/2012):
08:30 HRS – INÍCIO DO TORNEIO CARABINA APOIADA (SÚMULAS)
DISPUTA DO REI DO DIA
DISPUTA DO REI DO CERVO
DISPUTA DO MELHOR TRINTA
DISPUTA DO REI DO ALVO
DISPUTA DO REI DO PÁSSARO
12:00 HRS – ALMOÇO FESTIVO – VALOR R$ 20,00 P/ PESSOA
13:30 HRS – REINÍCIO DAS COMPETIÇÕES
16:00 HRS – ENCERRAMENTO DAS COMPETIÇÕES – BAIXA DE ALVOS
17:00 HRS – ENTREGA DA PREMIAÇÃO

3º Etapa do CCCA

02/04/2012

Queridos atiradores e leitores do Blog. Neste ultimo final de semana foi realizado em Ibirama a 3º Etapa do Campeonato Catarinense de Carabina Apoiada, na qual a nossa equipe teve um grande revés, a novidade foi que Jaragua do Sul não venceu desta vez, mas sim o Clube 1º de Maio de Pomerode. Se temos alguma pretenção de ganhar alguma coisa este ano, precisamos começar a vencer, e logo, mas esse ano promete ser um dos campeonatos mais equilibrados dos últimos tempos.
Segue abaixo os resultados:

CME Ibirama 2012 – N EQUIPE
CME Ibirama 2012 – Equipe
CME Ibirama 2012 – PREMIO
CME Ibirama 2012 – MEDALHA
CME Ibirama 2012 – TROFEU

Teste de Projéteis em Gelatina Balística

01/04/2012

A gelatina balística é usada para analisar o impacto dos projéteis, simulando a consistência do corpo de um animal/humano. Neste vídeo é interessante ver o que acontece quando um projétil com ponta ôca atinge um corpo. Pode-se perceber que principalmente no calibres maiores há uma fragmentação do projétil, o qe causa hemorragia em vários órgãos próximos da zona de impacto.

Ao final o impacto de um projétil calibre .308.


%d blogueiros gostam disto: