Archive for junho \26\UTC 2012

7ª Etapa CCCA

26/06/2012

Olá Atiradores, segue resultados da etapa do último final de semana:

N EQUIPE – Ribeirao Itoupava 2012
P EQUIPE – Ribeirao Itoupava 2012
PREMIO – Ribeirao Itoupava 2012
MEDALHA – Ribeirao Itoupava 2012
TROFEU – Ribeirao Itoupava 2012

3ª Etapa do Camp Carabina Ar MA do Araújo Brusque

19/06/2012

Acontece neste domingo, dia 24 de junho de 2012 a 3ª Etapa do 2ª Campeonato Aberto de Carabina Ar Mira Aberta do Araújo Brusque.

Todos estão convidados, não é necessário ser sócio do clube. Atiradores de outras cidades serão muito bem vindos.

Durante o evento será sorteado um alvo pêndulo (foto abaixo) e outros prêmios entre todos os participantes, todos participam independente do resultado na competição. Cada inscrição terá direito a um número para participar , então quanto mais inscrições o atirador fizer, mais chances terá de ganhar.

Não é necessário ficar até o final para receber o prêmio, e no caso do ganhador não estar presente, este será entregue na próxima etapa.

Horário: Das 9:30 as 16:00 horas

Haverá serviço de Bar no local.

Pendulo

Recorde Mundial Sniper

13/06/2012

Craig Harrison

Dois talibãs com dois tiros consecutivos, a quase dois quilometros e meio de distância. Craig Harrison, atirador do Exército britânico, entrou para a história do mundo dos snipers e conseguiu estabelecer o novo recorde de distância de tiro mortal. Os alvos talibãs estavam tão longe que as balas – de 8,59 milímetros – disparadas a quase três vezes a velocidade do som, demoraram quase três segundos para chegar ao destino, depois de saírem do cano da arma.

“O primeiro tiro atingiu um dos talibãs no estômago e matou-o imediatamente. Caiu e não se mexeu mais. O segundo rebelde agarrou na arma e virou-se. O segundo tiro atingiu-o de lado. Caiu. Morreram os dois”, descreveu Craig Harrison à imprensa britânica. O feito aconteceu em Novembro de 2009 e só foi confirmado, depois de Craig Harrison ter regressado ao quartel, no Reino Unido. Um sistema de GPS instalado na arma de longo alcance com que disparou – uma L115A3 – permitiu medir a distância dos alvos e confirmar o novo recorde: 2470 metros.

A Arma

O Rifle usado por Craig é Fabricado pela empresa Britânica Accuracy International, modelo L115A3, no calibre .338 Lapua Magnum.

L115A3

O calibre

O calibre utilizado pela M115A3 é o .338 Lapua Magnum. Abaixo a comparação, da esquerda para a direita .223, .338 Lapua Magnum, .50 BMG e 20mm Vulcan.

.338 Lapua Magnum

A luneta

A luneta nem é uma das mais potentes, mas com certeza a qualidade da construção e da lente fazem a diferença. Uma Schmidt & Bender MILITARY MKII 5-25×56.

Luneta

Condições ideais

Em Novembro de 2009, os militares do regimento da cavalaria britânica estavam dando cobertura a uma patrulha do exército nacional afegão ao sul de Musa Qala, quando foram atacados. Craig Harrison tinha ficado para trás. “As condições eram perfeitas. Sem vento, tempo ameno, boa visibilidade. Pousei a arma num muro e apontei”, recorda. Craig deu 9 tiros para que ele e seu observador calibrassem a mira, depois, disparou o tiro que lhe permitiu destronar o cabo de infantaria Rob Furlong, do Canadá (conhecida como “Infantaria Princesa Patrícia”) que, em 2002, disparou um tiro mortal a uma distância de 2430 metros com uma MacMillan TAC-50 de calibre .50. Mais do que habilidade, foi “um tiro de sorte”, garante Craig Harrison. “Os talibãs tiveram azar, porque havia boas condições e conseguimos vê-los bem”, justifica o soldado britânico. Depois de ter morto os dois talibãs à primeira, o sniper ainda disparou uma última ronda de tiros, “para destruir a arma inimiga”. A arma usada, a L115A3, é atualmente a mais poderosa do Exército e foi desenhada para ser eficaz até 1500 metros de distância – neste caso, os alvos estavam a 900 metros da distância a mais. Por isso o próprio diretor da marca que a fabrica, Tom Irwin, da Accuracy International, admite que o fator sorte jogou a favor do atirador britânico. “É uma arma bastante precisa mesmo acima dos 1500 metros mas, a dois quilómetros e meio, a sorte tem um papel tão determinante como qualquer outro fator”, garante.

Sobrevivente

Ao recorde agora confirmado, Craig Harrison soma histórias impressionantes vividas na frente da batalha. Recentemente, durante uma emboscada, o carro em que seguia foi atingido por 36 tiros. Uma das balas atingiu-lhe o capacete – raspou-lhe a orelha direita e saiu pelo topo, sem que ficasse ferido. Antes de ter batido o recorde, Craig Harrison quebrou os dois braços, quando o carro em que seguia foi atingido por uma mina. Chegou a ser enviado para casa mas, pouco tempo depois, insistiu em voltar para a frente de batalha, no Afeganistão. Totalmente recuperado, garante. “Tive sorte, porque estava numa excelente condição física antes de quebrar os braços e, depois de seis semanas com gesso, ainda estava em boa forma. Não afetou nada a minha capacidade de atirador.”

Dos tiros com arma de chumbinho à vaga olímpica, conheça a história de Filipe Fuzaro

09/06/2012

Quando criança, Filipe Fuzaro brincava de atirar em latinhas com uma espingarda de chumbinho. Hoje, o tiro deixou de ser uma diversão de infância e transformou o paulista da cidade de Rio Claro em um atleta olímpico. Aos 29 anos, ele será o representante brasileiro na fossa olímpica dupla nos Jogos de Londres. Ao invés de alvos improvisados, agora o objetivo é acertar pratos lançados no ar por uma máquina.

Fuzaro conquistou a vaga na Olimpíada em novembro de 2010, ao conquistar a Copa das Américas, realizada no Rio de Janeiro. Ele superou o favorito norte-americano Ian Ruppert por apenas um tiro. De lá para cá, muita coisa mudou. Filipe ganhou apoio da Confederação e passou a ter condições de treinamento iguais às de atletas de alto nível de outros países.

“Mudou tudo. Antes eu treinava uma vez por semana, hoje treino cinco vezes por semana. Tenho psicólogo esportivo, técnico, personal trainer e nutricionista. Antes eu tinha que viajar para treinar em Americana, a 60 quilômetros da minha cidade. Agora, instalaram um equipamento moderno em Rio Claro, semelhante ao que será usado em Londres. Foi gasto R$ 75 mil nessa máquina. Antes, eu não tinha uma arma tão boa, era adaptada, agora comprei uma arma boa. Sinto uma mudança absurda na qualidade do meu tiro”, explicou Fuzaro, que, no entanto, fez uma comparação de sua preparação com a dos atiradores internacionais de ponta.

“Minha preparação é igualzinha à deles, a única diferença é que eles estão treinando assim há sete anos, e eu comecei ano passado”.

O investimento para a busca de um bom resultado em Londres está sendo financiado pela Confederação Brasileira de Tiro Esportivo (CBTE), pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB) e pela Companhia Brasileira de Cartuchos (CBC). A primeira meta de Fuzaro na Olimpíada é se classificar à final, para depois focar em uma medalha.

A paixão de Fuzaro pelo esporte vem de família. O pai dele, Érico Fuzaro, já participava de competições de tiro e acabou influenciando o filho. Entre as brincadeiras de criança com arma de chumbinho e a vaga olímpica, Filipe Fuzaro foi evoluindo a cada ano e acumulando conquistas. Atualmente, é o recordista brasileiro na modalidade. Além do título da Copa das Américas, ele foi tetracampeão brasileiro, tricampeão continental, quinto colocado nos Jogos Pan-Americanos de 2007, no Rio de Janeiro, e décimo no Pan de 2011, em Guadalajara, entre outros resultados.

“Dei meu primeiro tiro com cinco anos. De tanto insistir, meu pai me deixou atirar com uma espingarda de chumbinho. Eu não tinha nem porte direito para segurar uma arma. Depois, a brincadeira foi começando a ficar mais séria. Com 11 anos, comecei a participar de campeonatos, passei por várias categorias, juvenil, júnior, sênior”, contou Fuzaro, que garantiu nunca de atirado em pássaros mesmo durante as diversões de infância.

“Nunca gostei disso. Eu fazia vários alvos, como latinhas, garrafas”.

Apesar de o tiro esportivo ter levado Filipe Fuzaro aos Jogos Olímpicos de 2012, o esporte não é a única atividade dele. Formado em administração de empresas, ele divide o tempo entre os treinamentos e competições e o trabalho em uma empresa distribuidora de produtos para calçados.

“Financeiramente, ainda é impossível eu me manter só com o tiro. Agora eu não gasto mais dinheiro para atirar, mas também não ganho nada. Ainda não tenho nenhum patrocínio, vamos ver mais para frente”, explicou.

Fonte: MSN Esportes

Vídeo de Tiro com Arco

08/06/2012

Só quem levanta em um domingo de manhã e vai praticar o Tiro com Arco, vai entender este vídeo. Uma sensação de paz, parece que todo o resto se foi, sem problemas, sem preocupação. Realmente tem tudo a ver.

Archery Impressions from Yannick Hausler on Vimeo.

6ª Etapa do CCCA

05/06/2012

Pois é pessoal, desta vez não obtivemos sucesso na etapa deste final de semana. Obtivemos apenas a 7º colocação. Este ano teremos que nos contentar em disputar do 2º Lugar para baixo.
Segue os resultados:

N EQUIPE – Concordia 2012
Desempate equipe – Concordia 2012
PREMIO – Concordia 2012
MEDALHA – Concordia 2012
TROFEU – Concordia 2012

Artigo na Revista Super Interessante

04/06/2012

É um artigo antigo, de 2002, mas de lá para cá nada mudou. Idiotas ainda querem se sentir bem achando que desarmar o cidadão é a solução para diminuir a criminalidade. Bandidos de colarinho branco protegidos por vários seguranças brincam de mandar. E a população cada vez mais trancada dentro de casa.

A, e os bandidos??? O governo dá para eles o nosso dinheiro, aquele que deveria ir para a educação, para saúde e para nossa proteção, este dinheiro vai para pagar o Bolsa Reclusão, ou seria o salário bandido. Alguém aqui acha que eles usam este dinheiro para algo além de comprar armas ilegais??? O governo financia o bandido, e coloca a culpa em quem anda na linha.

Estão gozando da nossa cara e muitos ainda apoiam o desarmamento.

Leiam o artigo no link abaixo, é bem interessante.

http://super.abril.com.br/ciencia/restringir-nao-solucao-442834.shtml


%d blogueiros gostam disto: